sábado, maio 19, 2012

Yom Yerushalayim - O Dia de Jerusalém.





Sábado, 19 de maio de 2012 no pôr do sol (28 de Iyyar, 5772)




O Dia de Jerusalém ( em hebraico : יום ירושלים, Yom Yerushalayim) é um feriado nacional israelense que comemora a reunificação de Jerusalém e o estabelecimento do controle israelense sobre a Cidade Velha em junho de 1967. O Rabinato Chefe de Israel declarou Jerusalém Dia feriado religioso afim de agradecer a Deus pela vitória na Gurra dos Seis Dias e pela resposta da oração feita por 2000 anos de "ano que vem em Jerusalém".

O dia é marcado por cerimônias de Estado, os serviços de memorial para os soldados que morreram na batalha por Jerusalém, desfiles pelo centro de Jerusalém, recitando o Hallel(Louvores) orações nas sinagogas, palestras sobre temas relacionados com Jerusalém, cantando e dançando, e programação especial de televisão.

Os alunos das escolas em todo o país aprendem sobre o significado de Jerusalém, e as escolas em Jerusalém realizam festivas. O dia é marcado também nas escolas judaicas de todo o mundo.

"Se eu me esquecer de ti, ó Jerusalém, que se resseque a minha mão direita. Apegue-se-me a língua ao paladar, se não me lembrar de ti, se não preferir eu Jerusalém à minha maior alegria." (Salmos 137:5-6)

No Plano de Partilha da ONU em 1947, que propunha a criação de dois estados na Palestina um estado judeu e um árabe, Jerusalém seria uma cidade Internacional, nem árabe, nem judeu teriam exclusividade por um período de dez anos, em um referendo que determinaria aos residentes de Jerusalém para determinar qual o país a aderir.

A liderança judaica aceitou o plano, incluindo a internacionalização de Jerusalém, mas os árabes o rejeitaram.

Assim que Israel declarou sua independência em 1948, foi atacado em massa por seus vizinhos árabes. A Jordânia tomou o leste de Jerusalém e a Cidade Velha. Os israelense fizeram um esforço para desalojá-los, mas não tiveram sucesso. Até o final do 1948 na Guerra árabe-israelense, Jerusalém ficou dividida entre Israel e a Jordânia.

A cidade velha e Jerusalém Oriental continuou a ser ocupada pela Jordânia, e os habitantes judeus foram expulsos da cidade e suas sinagogas queimadas.

Sob o controle jordaniano, metade da Cidade Velha a cinquenta e oito sinagogas foram demolidas e o cemitério judeu no Monte das Oliveiras foi saqueado em seus túmulos, que foram usados como paralelepípedos e materiais de construção.

Esta situação mudou em 1967 como resultado da Guerra dos Seis Dias. Antes do início da guerra, Israel enviou uma mensagem ao rei Hussein, da Jordânia, dizendo que Israel não iria atacar Jerusalém, na Cisjordânia, enquanto a frente da Jordânia ficasse quieta. Devido a pressão egípcia e com base em relatórios de inteligência enganosa, O Rei da Jordânia começou atacar os civis em Israel, Israel respondeu em 06 de junho, abrindo a Frente Oriental. No dia seguinte, 7 de junho de 1967 (28 Iyar 5727), Israel capturou a Cidade Velha de Jerusalém.

Mais tarde naquele dia, o ministro da Defesa Moshe Dayan declarou o que é frequentemente citado durante o Yom Yerushalayim:

Esta manhã, as Forças de Defesa de Israel libertam a Cidade Santa de Jerusalém. Temos Jerusalém unida, a capital dividida de Israel. Voltamos para o mais santo dos nossos lugares santos, para nunca mais repartir-la novamente. Para os nossos vizinhos árabes, que abrangem, também, a esta hora e com ênfase adicionada a esta hora o nosso lado em paz. Para os cristãos e os cidadãos muçulmanos desejamos o companheirismo, garantimos a plena liberdade religiosa e direitos. Nós não viemos a Jerusalém por causa dos outros lugares santos, e não vamos interferir com os adeptos de outras religiões, mas para salvaguardar os seus elementos, e viver lá junto com os outros, na unidade.

A guerra terminou com um cessar-fogo em 11 de junho de 1967. Em 12 de maio de 1968, o governo proclamou um novo feriado, o Dia de Jerusalém, a ser comemorado no dia 28 de Iyar, a data hebraica na qual a cidade dividida de Jerusalém se tornou uma. Em 23 de março de 1998, o Knesset aprovou a Lei do Dia de Jerusalém, tornando o dia um feriado nacional.

Jerusalém capital de Israel e sede de seu governo, é a maior cidade do país. Seus 634.000 habitantes (dos quais 14.000 são cristãos) constituem um mosaico de diversas comunidades nacionais, religiosas e étnicas. Jerusalém é uma cidade com sítios históricos cuidadosamente preservados e restaurados e modernos edifícios, bairros em constante expansão, zonas comerciais, centros comerciais, parques industriais de alta technologia e áreas verdes bem cuidadas. É uma cidade antiga e moderna ao mesmo tempo, com tesouros do passado e planos para o futuro.

Video Jerusalem:4000 anos em 5 minutos



"Três mil anos de história nos contemplam hoje, na cidade onde as bênçãos dos sacerdotes judeus misturam-se aos chamados dos muezins muçulmanos e aos sinos das igrejas cristãs; onde em cada alameda e em cada casa de pedra foram ouvidas as admoestações dos profetas; cujas torres viram nações se erguerem e cairem - e Jerusalém permanece para sempre...

"Três mil anos de Jerusalém são para nós, agora e eternamente, uma mensagem de tolerância entre religiões, de amor entre os povos, de entendimento entre as nações..."
(Yitzhak Rabin, setembro de 1995)
Um dos temas do Dia de Jerusalém, com base em um versículo do Livro dos Salmos, é "Ke'ir shechubra yachdav la" - "Como uma cidade ligada e unificada" ( Salmo 122:3).

Diretor do Cafetorah

Nenhum comentário: