quarta-feira, novembro 09, 2011

KRISTALLNACHT - O COMEÇO DO HOLOCAUSTO.


A Noite dos Cristais ou Reichskristallnacht.
A data: 9 de novembro de 1938
Onde?: Em diversos locais da Alemanha e Áustria.
O alvo: Sinagogas, habitações e lojas de judeus.





Para o regime nazista o Kristalnacht, foi a resposta ao assassinato de Ernst von Rath, um diplomata alemão em Paris, por Herschel Grynszpan, um judeu polaco, condenado múltiplas vezes a deportação da França.
A pedido de Adolf Hitler, Goebbels instiga os dirigentes do NSDAP e os SA a atacarem os judeus. Heydrich organiza as violências que deviam visar as lojas de judeus e as sinagogas. Numa única noite, 91 judeus foram mortos e cerca de 25.000 a 30.000 foram presos e levados para campos de concentração. 7500 lojas judaicas e 1600 sinagogas foram reduzidas a escombros.
As ordens determinavam que os SA deviam estar vestidos à paisana, a fim que o movimento parecesse ser um movimento espontâneo de uma população furiosa contra os judeus. Na verdade, as reações da população foram pouco favoráveis, pois os alemães não apreciavam a ideia de que se ataque ou se tomassem a propriedade alheia. Os incêndios também chocaram uma parte da população, mas não o fato de que os judeus tivessem sido atacados fisicamente.
A alta autoridade nazista cobrou uma multa aos judeus de um bilhão de marcos pelas desordens e prejuízos dos quais eles foram as vítimas.
O nome Kristallnacht deriva dos cacos de vidro (vitrinas das lojas, vitrais das sinagogas, entre outros) resultantes deste episódio de violência racista.

Um relato verídico e de família:


"Na minha família meu tio relata que quando menino ele visualizou as ultimas horas de vida de meu avô sendo enterrado em uma vala ainda vivo.

O detalhe: Ele foi obrigado a cavar a própria vala, jogar um cadáver dentro após arrastar o cadáver na neve, descalço, e ser atirado junto a vala com o cadáver.

Eu prefiro sobre todo este acontecimento lembrar o exemplo do Lubavitcher Rebe, de como ele encoraja a nação de Israel a superar isto.

O Lubavitcher Rebe é amplamente reconhecido como alguém que desempenhou um papel singular na definição do Judaísmo pós-Holocausto.

Em seus escritos e discussões sobre o tema, o Rebe rejeitou todas as explicações teológicas para o Holocausto. Que conceito maior - diria o Rebe - e que maior desumanidade - pode haver que dar um "motivo" para a morte e tortura de milhões de homens, mulheres e crianças inocentes? Podemos presumir que alguma explicação, suficientemente simples para encaixar-se nos limites finitos da razão humana, possa explicar um horror de tal magnitude? Podemos apenas concordar que existem coisas que estão além do alcance finito da mente humana.

Ecoando as palavras de seu sogro, o Rebe dizia: "Não cabe a mim justificar D'us nisso tudo. Somente o próprio D'us pode responder porque Ele permitiu que acontecesse". E a única resposta que aceitaremos - disse o Rebe - é a imediata e completa Redenção que para sempre expulsará o mal da face da terra e trará à luz a bondade intrínseca e a perfeição da criação de D'us.

Para aqueles que argumentam que o Holocausto invalida a existência de D'us ou Sua providência sobre nossa vida, o Rebe diz: "Pelo contrário - o Holocausto refuta decisivamente qualquer possível fé numa moralidade baseada no humano. Na Europa de antes da Guerra, era o povo alemão que ditava a cultura, progresso científico e moralidade filosófica. E foi este mesmo povo que perpetrou as atrocidades mais vis que se conhecem na história humana! Pelo menos o Holocausto nos ensinou que uma existência civilizada e moral somente é possível por meio da crença e da aceitação da Divina autoridade".

O Rebe também declarou: "Nosso ultraje, nosso incessante desafio a D'us por aquilo que ocorreu - é em si mesmo o mais poderoso atestado de nossa crença n'Ele e nossa fé em Sua bondade. Porque se não tivéssemos esta fé, por que ficaríamos ultrajados? As voltas cegas do destino? O arranjo aleatório que compõe o universo? É somente porque acreditamos em D'us, porque estamos convencidos de que existe o certo e o errado, e que o certo deve, e certamente, triunfará, que clamamos, como fez Moshê: 'Por quê, meu D'us, fizeste mal a Teu povo?'"

Se permitirmos que a dor e o desespero nos desencorajem de criar uma nova geração de judeus com um forte comprometimento com seu Judaísmo, então a "solução final" de Hitler se cumprirá, D'us não o permita.

Mas se reconstruírmos o que foi destruído, se criarmos uma geração orgulhosa e comprometida com seu Judaísmo, então teremos triunfado" Razak Baruch.

Nenhum comentário: